Utilizamos cookies próprios e de terceiros para disponibilizar os nossos serviços e recolher informação estatística. Se continuar a navegar no Site, aceita a sua instalação e a sua utilização. Pode alterar a configuração ou obter mais informação sobre a nossa política de cookies.

Áreas
Menu
pt

O que é a rinite alérgica?

A rinite alérgica caracteriza-se pela inflamação da mucosa nasal, mediada pela imunoglobulina E, após exposição a um alérgeno.

Pode apresentar-se isolada ou associada a outras doenças alérgicas como a conjuntivite alérgica (rinoconjuntivite alérgica).

Os sintomas são obstrução nasal, espirros ou secreção aquosa, congestão nasal e/ou prurido nasal. Os sintomas apresentam-se durante dois ou mais dias consecutivos e ao longo de uma hora na maior parte dos dias. Pode afectar as actividades habituais, assim como o sono.

Quais são as causas?

Ácaros do pó domésticos:

Pequenos artrópodes da classe dos aracnídeos. Estão identificadas mais de 30 000 espécies. De acordo com a sua localização, dividem-se em dois grupos: ácaros domésticos (predominam no pó doméstico) e ácaros de armazenamento. Entre os primeiros encontram-se os Dermatophagoides pteronyssinus e farinae, predominantes nas casas europeias, da América do Sul e da Austrália. Os segundos predominam na América do Norte e são segundos em frequência na Europa.

Pólenes:

  • Ervas: as Gramíneas são as mais frequentes causadoras de alergia em todo o mundo. Compreendem cerca de 10 000 espécies.
  • Árvores: são responsáveis em menor frequência. A espécie das oleáceas (olea europea, fraxinus, ligustrum) é um exemplo.
  • Arbustos ou sementes: Parietária, Artemísia e Chaenopodium.

Fungos aerogénicos:

Aspergillus, Alternaria, etc…

Epitélios de animais domésticos:

Gato, cão, cavalo, porco-da-índia, ratos.

Outros de origem profissional como as farinhas ou o látex.

Como se diagnostica?

O médico especialista em Alergologia é o responsável por efectuar o diagnóstico com base na história clínica, nos teste específicos cutâneos e nas análises de sangue (determinação de IgE específica), entre outros.

Qual é o tratamento?

Medidas de controlo ambiental

O primeiro passo para o doente alérgico é evitar ao máximo o contacto com o alérgeno, como por exemplo, utilizar roupa de cama hipoalergénica, produtos contra ácaros, filtros de pólen, produtos de cosmética e farmácia sem os componentes responsáveis pelas alergias. Demonstrou-se que quanto mais alérgico for o doente, maior será o beneficio das medidas de controlo ambiental.

Medicamentos

Empregam-se para aliviar os sintomas produzidos pela rinite. Trata-se de um tratamento sintomático para os episódios de exacerbação, entre eles estão os anti-histamínicos em spray nasal ou em comprimidos, os corticóides tópicos locais e orais, etc. Os medicamentos aliviam os sintomas, mas não tratam a causa da doença, pelo que não modificam a evolução do curso da doença alérgica.

Imunoterapia

A imunoterapia ("vacinas da alergia") é o único tratamento que pode alterar o curso natural da doença alérgica, tal e como observou a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Consiste na administração do extracto alergénico ao qual o doente é alérgico em doses crescentes com o objectivo de produzir uma regulação do sistema imunitário.

O objectivo é diminuir os sintomas em exposições posteriores ao alérgeno causador. A administração efectua-se geralmente por via subcutânea ou sublingual, dependendo tanto da avaliação do doente como do médico especialista.

A imunoterapia, para além de melhorar os sintomas da alergia, diminui também a quantidade de tomas de medicação complementar ao tratamento.

Recomenda-se que a duração do tratamento seja de 3 a 5 anos.

Conviver com a alergia é possível

A importância de finalizar o tratamento contra alergia