Utilizamos cookies próprios e de terceiros para disponibilizar os nossos serviços e recolher informação estatística. Se continuar a navegar no Site, aceita a sua instalação e a sua utilização. Pode alterar a configuração ou obter mais informação sobre a nossa política de cookies.

Áreas
Menu
pt

Dermatite atópica

O que é a dermatite atópica?

A dermatite atópica é um processo inflamatório de origem alérgica na pele que se apresenta na primeira infância e se caracteriza por erupções na zona das dobras (braços, pescoço e cara).

Qual é a causa?

Existem múltiplos factores desencadeantes, como o stress, a secura ou irritação da pele, alterações da transpiração e múltiplos alérgenos (alimentos, aditivos, tintas, produtos industriais, etc..)

Onde aparecem as lesões?

A erupção da dermatite atópica, dependendo da idade da pessoa alérgica, apresenta-se em distintas zonas:

  • Em lactantes, as lesões são nas bochechas e na proximidade das pálpebras.
  • Entre os 2 e os 10 anos de idade, afecta mais as pregas como os joelhos e braços, pernas e cotovelos.
  • Em crianças maiores de 10 anos, afecta geralmente as mãos e as pregas da pele.
  • Em adultos, as placas de eczema tendem a localizar-se nas pregas dos braços e pernas.

A dermatite atópica é hereditária?

A origem não se conhece com exactidão, embora o factor hereditário seja de grande relevância. Três de cada quatro doentes com antecedentes familiares de doença alérgica (rinite, eczema ou asma alérgica) desenvolvem dermatite atópica.
Esta predisposição genética produz alterações imperceptíveis da pele que predispõem para o aumento das perdas de água, alterações no sistema imunitário e maior predisposição para infecções.
Mais de metade das crianças com dermatite atópica apresentam em algum momento rinite e/ou asma alérgica.

Como se diagnostica?

O diagnóstico é realizado pelo especialista, através da história clínica, do exame físico e de testes complementares.

Como se trata a dermatite atópica?

1. Medidas preventivas:

  • Uso de roupa adequada, evitando materiais que promovam a transpiração como nylon, poliéster e outros. Promover o uso de roupa de algodão ou linho.
  • Promover a lavagem das mãos e as unhas bem cortadas para evitar arranhões e sobreinfecções.
  • Evitar a exposição a temperaturas extremas: calor e frio.
  • Evitar a exposição a substâncias irritantes (lixívia, outros)
  • Promover os banhos de mar e o sol com moderação.

2. Tratamento do surto ou fase aguda de eczema:

Requer principalmente a prescrição médica de corticóides tópicos ou orais.

3. Medidas durante a fase de remissão:

  • Manter a pele bem hidratada para evitar o ciclo vicioso de prurido-arranhão-prurido.
  • Tratar de forma enérgica o prurido para evitar mais lesões por arranhões e sobreinfecções da pele.
  • Aconselham-se os banhos com sabões neutros, banhos coloidais de aveia ou glicerina e óleos dermatológicos.
  • Evitar o contacto com alérgenos desencadeantes.